Prefeitura de Campina Grande se habilita em programa do BNDES e 40 escolas receberão investimentos nos próximos dois anos

Colunistas

  • Marcos Marinho
    O coice do filho do poeta
  • Amaro Pinto
    MARCA DA BURRICE
  • Júnior Gurgel
    O SISTEMA “S” E A CRUZ VERMELHA
  • Vanderley de Brito
    Entre as ruínas da antiga povoação de Pedro Velho

Enquete

Galeria de Fotos

  • Troféu Gonzagão 2018

  • Pessoas que contribuíram para fazer de Campina Grande esse polo de desenvolvimento que orgulha o Brasil

  • Inauguração do Museu Digital de Campina Grande

Entrevistas

Ao receber ISTOÉ na quarta-feira 27, o vice-presidente Hamilton Mourão discorreu sobre o estresse emocional vivido por Jair Bolsonaro desde a facada, mas diz que, aos poucos, ele estará “mais senhor de si”.

Dizia-se que o senhor era polêmico, muitas vezes desastrado nas suas declarações. Mas agora está sendo visto como alguém ponderado…

É um trabalho grande. A gente vai apreendendo, evoluindo.

Qual o papel do vice, no seu entender?

O vice-presidente é um cara que constitucionalmente existe para substituir o presidente. E isso é uma garantia de estabilidade. Se não houvesse o vice, o substituto seria o presidente da Câmara. O que poderia ser arriscado, se ele for um adversário político.

Mas o senhor não fica somente esperando esses momentos de substituir o presidente, certo?

Me comporto como alguém capaz de assessorar o presidente. Montei uma equipe própria eficiente para me auxiliar nisso. E venho trabalhando aqui para receber pessoas diversas e debater com elas os assuntos do país.

Quem o senhor já recebeu, por exemplo?

O presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores, Vagner Freitas). Representantes de sindicatos como o dos...

>>>> Continue lendo