Romero anuncia cancelamento do Maior São João do Mundo e a antecipação do início do Natal Iluminado 2020

Colunistas

  • Marcos Marinho
    O ADVOGADO DA PREFEITA
  • Amaro Pinto
    O ERMITÃO DA LADEIRA.
  • Júnior Gurgel
    STJ MOSTRA A FORÇA DO CORPORATIVISMO
  • Vanderley de Brito
    Avenida Theodósio de Oliveira Ledo
  • Valberto José
    UM BOÊMIO RESPÓNSAVEL

Galeria de Fotos

  • A história da primeira santa brasileira (Irmã Dulce), em fotos

  • Filiação de Romero Rodrigues no PSD

  • Troféu Gonzagão 2018

Entrevistas

LUIZA ERUNDINA:

Aos 85, deputada critica a "nova política", fala de preconceito contra idade e esperança pós-pandemia.

Trinta e dois anos após ser eleita pelo PT para comandar a maior cidade do país, em 1988, Luiza Erundina de Sousa, paraibana de Uiraúna, volta a disputar uma eleição para a prefeitura de São Paulo. Desta vez como candidata a vice na chapa do PSOL encabeçada pelo filósofo, professor e líder do Movimento Nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Guilherme Boulos.

Os cenários da capital paulista do fim dos anos 1980 e o de agora são semelhantes. "Os problemas estruturais continuam os mesmos", diz a deputada, que está em seu sexto mandato na Câmara.

Naquele ano, o país vivia uma crise profunda de desemprego, recessão, manifestações populares, insatisfação com a classe política e muita, muita gente vivendo na rua. Tudo agravado pela hiperinflação, que naquele ano fechou em 980%.

Desemprego, recessão, manifestações populares — hoje puxadas por entregadores por app — insatisfação com a classe política e aumento expressivo de pessoas em situação de rua seguem presentes no cenário de 2020. Tudo agravado por uma pandemia que em quatro meses matou mais de 90 mil brasileiros em decorrência do coronavírus.

Tanto Erundina quanto Boulos acreditam que esta não...

>>>> Continue lendo