Zé em Campina recebe apoio e abraço de subordinado de Romero e foto sugere "assepsia" nas relações políticas

Colunistas

  • Marcos Marinho
    A GRANJA SANTANA
  • Amaro Pinto
    A CANTIGA DO TEMPO.
  • Júnior Gurgel
    OUSADIA DO SOCIALISTA
  • Vanderley de Brito
    O obelisco do Açude Novo, uma homenagem indevida aos Ariú.

Enquete

Galeria de Fotos

  • Troféu Gonzagão 2018

  • Pessoas que contribuíram para fazer de Campina Grande esse polo de desenvolvimento que orgulha o Brasil

  • Inauguração do Museu Digital de Campina Grande

Entrevistas

Rodrigo Lombardi: "A vida não deixou que eu me deslumbrasse"

QUEM esteve na fábrica desativada no bairro da Quarta Parada, na zona leste de São Paulo, onde o elenco já grava a segunda temporada da série Carcereiros, da TV Globo. Ao chegar, Rodrigo Lombardi logo vai ao encontro dos atores Othon Bastos, Tony Tornado e Aílton Graça, com quem contracena. Mesmo com uma rotina intensa, que chega a passar de dez horas de gravações por dia, o ator demonstra bom humor, brinca com Othon, pai de seu personagem na ficção, imita vozes e tem uma fala cheia de vigor. Questionado sobre o que tira seu humor e alto-astral no ambiente profissional, ele é direto: "Não gosto de rodeios, nem de falta de objetividade. Quando não está gostando, prefiro que fale. Neste trabalho, temos um papo franco, direto. Vamos aprimorando o que pode ser melhorado juntos, com conversa".

 Pai de Rafael, de 10 anos, da união com a maquiadora Betty Baumgarten, Rodrigo admite que o convívio familiar fica comprometido diante do volume de gravações e da distância, uma vez que grava em São Paulo e a mulher e o filho moram no Rio de Janeiro. "Minha mulher e meu filho vêm para São Paulo a cada 15 dias, passam um fim de semana, pegam um Rodrigo completamente destruído, só quero dormir e meu filho fica p. da vida, mas ele entende", admite o ator, que nos raros momentos de folga curte programas culturais, como uma recente ida com a mulher ao teatro para assistir à peça O Escândalo Philippe Dussaert, estrelada por Marcos Caruso.

Com os altos e baixos do...

Continue lendo