Entrevista

    Dr. Hlio Magalhaes de Oliveira - "A matemtica a base de toda a cincia e a linguagem universal"

    A Sociedade Brasileira de Telecomunicações (SBrT) está publicando uma série de entrevistas, conduzidas pelo Prof. Edmar Gurjão, feitas com seus sócios eméritos e seniores, isto é, sócios de seu quadro que possuíram destacada atuação na divulgação e avanço na área de telecomunicações e da própria SBrT.

    Além de ser uma forma de agradecimento ao trabalho efetuado por essas pessoas, o objetivo é registrar histórias, algumas de suas opiniões e conselhos.

    Diretoria – Ramo Estudantil IEEE UFCG

    Por indicação do professor Emir Candeia Gurjão, irmão de Edmar, APALAVRA vai republicar as entrevistas neste espaço, principiando com o Prof. Hélio Magalhães de Oliveira, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que tem atuação destacada em diversas áreas, é membro Sênior da SBrT, tem participado continuamente dos eventos da Sociedade e contribuído sobremaneira para a formação de engenheiros, nos eventos e para a sociedade científica.

    QUEM É O ENTREVISTADO:

    Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco (1980), mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco (1983) e doutorado na École Nationale Supérieure des Télécommunications (1992). Professor adjunto de Estatística na Universidade Federal de Pernambuco desde 2015. Paraninfo de dezesseis turmas de formandos em Engenharia Elétrica-Eletrônica/Engenharia da Computação e professor homenageado eleito por quarenta e nove turmas de formandos da UFPE, Recife. Ex-coordenador dos cursos de Estatística da área II - 9 turmas, cerca de 500 alunos de diversas engenharias (2016-2018), ex-coordenador da pós-graduação em Engenharia Elétrica (1992-1996). Sócio Sênior da Soc. Bras. de Telecomunicações SBrT 2019. Tem experiência na área de Engenharia Elétrica e modelos/sistemas probabilísticos, com ênfase em Telecomunicações, atuando principalmente nos seguintes temas: análise e processamento de sinais, engenharia de áudio, análise de multirresolução, algoritmos rápidos, transformadas de wavelets, corpos finitos, teoria da informação aplicada, transformadas de corpo finito, análise de sinais genômicos, modulação e análise de sinais, codificação de canal, modulação codificada, retículados, Autor do livro "Análise de Sinais para Engenheiros: Uma Abordagem via Wavelets", Brasport Livros e Multimídia Ltda, 1ª edição - 2007, "Análise de Fourier e Wavelets", Editora universitária UFPE. E-book 2012: "Engenharia de Telecomunicações", "Collectio Poemata in Latinum", 2011-2017 (vol I 51p., vol II 57p. vol. III 51p., vol IV, 59p., vol. V, 65p. vol VI, 66p., vol. VII, 84p., vol. VIII, 70p., vol. IX, 59p.). Homenageado da Sociedade Brasileira de Telecomunicações em 2018, nos 35 anos da criação. Orientou 25 trabalhos de Iniciação Científica, 13 dissertações de Mestrado (+4 co-orientações) e 3 teses de doutorado.

    EDMAR GURJÃO - Como foi a sua formação profissional? O que lhe levou para a área de tecnologia, em especial a sua área de pesquisa?

    Prof. Hélio - Minha formação foi iniciada antes dos cursos formais. Sou de uma família de professores (pai e mãe), com um aguçado interesse científico no lar. Li os 32 volumes da coleção de Júlio Verne, Life, o mundo e nós, enciclopedia Labor, tesouro da juventude, Victor Hugo e tanta coisa interessante. Meu pai graduou-se em Química industrial aos 21 anos, na Universidade de Pernambuco, no ano 1952. Minha tia, farmacêutica na escola de medicina em 1947. Época em que poucos tinham acesso a cursos superiores. Já descobri, ainda criança, que não queria biologia/medicina, artes, direito: sempre me sai melhor em exatas. Minha opção por engenharia elétrica se deu por dois motivos: o exemplo do meu pai que abandonou a formação superior em Química pelo fascínio nele imprimido pela "nova" eletrônica. Adquiriu o cinema Rio Branco (hoje o mais antigo cinema em funcionamento na América Latina) e montou uma oficina de Eletrônica. Tornou-se professor de Física e Matemática superior na Faculdade de Formação de Professores em Arcoverde. Em segundo, tratava-se do curso de maior média, o mais reputado por quem almeja uma formação científica sólida (desejo por excelência). Na oficina, representante autorizado das marcas mais relevantes (Philco, Motorola, Philips, Nordsom, ABC a voz de ouro etc.), muito jovem, trabalhei auxiliando meu pai em reparo de equipamentos, uma motivação para a minha escolha. Minha formação de graduação foi na Universidade Federal de Pernambuco, em Engenharia Elétrica em 1980, aos 21 anos (inexistia um curso de engenharia eletrônica, em vias de criação na época). Eu sempre almejei trabalhar com ciências. O que me conduziu para a área de Telecomunicações? Na época, parcos doutores e poucos pesquisadores. Na UFPE dos anos 70, a melhor opção de orientação foi Dr Valdemar Rocha Jr (ligado á pós-graduação, orientando IC). Minha escolha não foi por achar a área a mais interessante: eu preferia máquinas elétricas. Tive opção de após graduado, conseguir contrato com a Chesf e com a Philips (o diretor conhecia minha família: cheguei a ter entrevista na qual me foi oferecida vaga, e possibilidade de ir à Eindhoven). Perguntei aos meus pais se eles me "bancariam" para ingressar no mestrado na UFPE, sem bolsa. Eles não hesitaram e me apoiaram de olhos fechados. Ingressando no magistério superior em 1983 (aos 24 anos), passei algum tempo programando doutoramento. Casei-me. Minha esposa desejava fazer doutorado no exterior e me fez a proposta: o primeiro que conseguir aceitação e bolsa, o outro segue. Assim foi a minha "escolha" para a França. Meus contatos eram UK. Mas ela conseguiu rápido uma bolsa COFECUB em Paris, centro em que qualquer área de conhecimento possui boas opções. Fui conduzido à ENST, uma grand école. Tive a enorme oportunidade de ser orientado por um professor (Professor, não maître de conf) mais renomado em IT na França: Gérard Battail. Fiquei por mais de 30 anos concentrado nesta área de atuação, particularmente IT, com incursão em Processamento de Sinais, por influência do meu maior colaborador: Ricardo M. Campello. Fim de carreira, fui afastado para área lateral: estatística, onde fui bem acolhido. No meu caso, não há as desejáveis de histórias de sucesso (e talvez inspiradoras), partindo de pais analfabetos, passando fome, sem recurso para livros ou mesmo passagens. Tive recurso para adquirir todos os livros do curso de graduação e carro próprio para ir à universidade. Trata-se pois da vida mais para um "Maxwell" do que para um "Faraday" (para aqueles que curtem biografias de cientistas).

    E a Matemática, o que ela representa para o senhor? Pode citar uma teoria, teorema ou algo mais específico na Matemática que lhe fascina?

    A matemática é a base de toda a ciência e a linguagem universal. É a coisa mais bela criada! De teoria criadas, nada como a teoria da evolução e seleção natural. Ligado à matemática discreta, Galois e Abel são destaque. Na minha avaliação, não deixo de fora as múltiplas contribuições de René Descartes: acho que não são valorizadas à medida do que valem. Admiro também conceitos de entropia e ordem (Ludwig Boltzmann e Josiah Gibbs), e a teoria da informação de Claude E. Shannon (informação é um conceito tão relevante quanto a vida). Entre os físicos, registro minha admiração por Niels Bohr e Oliver Heaviside. Agrada-me e inspiram-me polímatas e gênios tais como J. Von Neumman e Henri Poincaré. Mais recentemente, tenho experimentado um fascínio particular pelos trabalhos magníficos de Georg Cantor, cuja elegância e criatividade me surpreendem, e pelas apresentações didáticas e inteligentes de Etienne Ghys (assisti praticamente todas!). De teoremas, há alguns cujas provas me fazem salivar... O teorema central do limite de George Pólya é um deles. O 2º teorema de Shannon (capacidade do aditivo canal gaussiano), demonstração extraída do clássico livro Wozencraft-Jacobs, causou-me grande impacto. E, hors concours: O Lema de Borel-Cantelli!

    O senhor experimentou a mudança nas telecomunicações no país. Como avalia o que aconteceu?

    O pior que pode/poderia acontecer é manter o sistema de telecomunicações como público: apenas ineficiência e atraso tecnológico - uma receita para desastre. As privatizações, mesmo que aparentemente conduzidas sob negociatas, foram úteis. E devem continuar, abrindo mais o mercado para a iniciativa privada (é preciso gerar concorrência). As mudanças são decorrentes de dos avanços da tecnologia: as comunicações digitais, os equipamentos se transformaram em computadores digitais, e principalmente o uso de redes WAN, LAN, PAN, MAN ou IoT. A capacidade de interligação proporcionada pela rede IP é avassaladora e inevitável. Hoje não existe mais a área telecom: é uma obrigatória simbiose com redes de computadores (em maior ou menor porte).

    Qual foi a sua primeira participação no Simpósio Brasileiro de Telecomunicações? Nos eventos que participou, houve algum fato que gostaria de destacar?

    Tive meu primeiro trabalho na SBrT aceito em 1990, enquanto concluía meu doutorado. Desde então, contribui em ITS 1990 Rio de Janeiro; SBrT 1993 Natal; SBrT 1995 Águas de Lindóia; SBrT 1996 Curitiba; SBrT 1997 Recife; ITS 1998 São Paulo; SBrT 1999 Vila Velha; SBrT 2000 Gramado; SBrT 2001 Fortaleza; ITS 2002; SBrT 2003 Rio de Janeiro; SBrT 2004 Belém; SBrT 2005 Campinas; ITS 2006 Fortaleza; SBrT 2007 Recife; SBrT, 2008 Rio de Janeiro; SBrT 2009 Blumenau; ITS 2010 Manaus; SBrT 2011 Curitiba; SBrT 2013 Fortaleza; SBrT 2015 Juiz de Fora; SBrT 2018 Campina Grande; SBrT 2019 Petrópolis. A registrar, quase que invariavelmente dividi a mesa nos jantares com a equipe EE de Campina Grande, invariavelmente bem acolhido. Outros fatos a destacar foram longas e frequentes conversas, em repetidos eventos, com parceiros como Roger Hopfel, Paul Jean Jeszensky e Walter Godoy Jr (in memoriam). Em 2007, no XXV SBrT, muito envolvimento e trabalho, como co-coordenador técnico e presidente da comissão de iniciação científica. A promoção para sócio sênior e escolha como homenageado nos 35 anos da SBrT em 2018 no SBrT de Campina grande foi também ocasião marcante. Alguns fatos pitorescos de boa recordação incluíram uma apresentação plenária de Reginaldo Palazzo, que após o final do tempo, só havia introduzido parte da notação para abordar o problema (e me gerou a expressão acadêmica: tão cabeludo e intricado quanto um artigo de Palazzo :-)) ou uma apresentação irreverente e maluca de Abraão Alcaim. As tais apresentações-relâmpago, introduzidas por Rafael Dueire no ITS 2010 foram um exercício interessante. Sem contar com as danças amazonenses de certos participantes...

    Quais suas referências profissionais?

    Certamente os irmãos Campello de Souza (Fernando e Ricardo). Gérard Battail mostrou-me ética, valores acadêmicos e profissionalismo equilibrado. Sólon de Medeiros Filho foi um professor e profissional motivador. Richard W. Hamming com suas aulas, citações, colocações, deve ser inspiração para qualquer engenheiro. Em Telecomunicações, certamente Edwin Howard Armstrong e Maurice Deloraine pelas suas múltiplas e criativas contribuições. Fora da elétrica, localmente, Washington Amorim Jr é uma das minhas referências.

    O senhor tem algum hobby? Poderia nos indicar alguma fonte de informação (livro, revista, site etc.) que considera interessante?

    Ah, poucos. Nenhum? Talvez experimentar bons vinhos... Um pouco de poesia (da forma mais despretensiosa possível). Latim. Traduções livres para latim (estilo: solemne est vexillum; ou solemne ex "Aires universitas ad pernambucum"). Alguma fonte interessante para compartilhar: o livro R. Bourgeron, 1300 Esquemas Circuitos Eletrônicos, Hemus; Edição: 4ª (1 de janeiro de 2002), ISBN 978-8528901160O livro Hamming, Richard W. (1962). Numerical Methods for Scientists and Engineers. New York: McGraw-Hill.; second edition 1973 também é de enorme valia para engenheiros. Sites? Recomendo uso constante do Wolfram alpha: que contribuição!

    Na sua opinião, como formar um bom Engenheiro?

    Aqui o assunto é mais ensino. A chave do processo é a motivação. O domínio técnico é parte fundamental, mas em pouco auxilia a formar "bons" engenheiros. Uma das boas técnicas é propor desafios, questões a resolver que aguçam a vontade de solucionar problemas (e ganhar reconhecimento). A exibição de bons exemplos de técnicas inteligentes, de causar espanto e beleza, se conseguir contaminar os estudantes com seu entusiasmo pessoal. Vale tentar esclarecer que há posturas que devem ser trabalhadas diariamente, como se polindo um diamante valioso: criticismo, curiosidade, pragmatismo e desejo por aprender. Eu normalmente explico que é necessário um equilíbrio de andar sobre o fio da navalha. Se você é criticado por estar muito teórico: alô, está se afastando, volte à Terra. Mas quando for criticado por estar excessivamente prático: alô, você não está fazendo engenharia. Há bons candidatos a engenheiro, excessivamente teóricos. Outros, excessivamente práticos. Formar um bom engenheiro exige "dosar" entre teoria e prática, entre rigor e aproximação. Outro ponto que procuro mostrar é a diferença de raciocínio e de valor entre matemático e engenheiro. Para o primeiro, as hipóteses, e principalmente o rigor da demonstração é o mais importante. Para o segundo, menor atenção à prova (engineers avoid becoming too involved with mathematical rigor, which all too often tends to become rigor mortis, R. Hamming): como aplicar o enunciado no "mundo real"? O que se pode fazer com isso? Eu aprecio muito a colocação de Shannon em sua entrevista clássica a Anthony Liversidge no Omni.

    I keep asking myself: How would you do this? Is it possible to make a machine to do that? My mind wanders around, and I conceive of different things day and night. Like a science-fiction writer, I'm thinking, What if it were like this? Or, Is there an interesting problem of this type?

    Um colega meu, não sei se você o conhece, teve a iniciativa de traduzir uma alocução de Richard Hamming, intitulada então "Você e Sua Pesquisa", DOI: 10.13140/RG.2.1.2670.2244, Textos ricos como este podem ser motivadores para engenheiros em formação...

    Obs.: Aqui, o Prof. Hélio Magalhães se refere a traduação feita pelo entrevistador, que está disponível aqui.

    Que conselho o senhor daria a um jovem que está iniciando na sua área de pesquisa?

    As coisas mudaram muito nos anos derradeiros... Já tenho dificuldade em sugerir caminhos nestes "novos" tempos. O conselho hoje que me parece fundamental é aprender, aplicar e investir em técnicas de inteligência artificial, qualquer que seja a sua especialização. Afinal vale a citação de (Kelvin Warwick, UK cybernetics Professor at the University of Reading, England): É difícil pensar em qualquer área da inteligência humana na qual, dentro de pouco tempo, uma máquina não venha a superar nosso desempenho.

    Tempos idos, tive incluída uma citação: "If you know that a PhD is something that you want to pursue, then get it out of the way while you are still in student mode. If you go into industry and get used to making 'good money', it will be harder to return to student life afterwards." no livro Words of Wisdom, onde há alguns "conselhos" interessantes para compartilhar. Em uma das alocuções proferidas para uma das 49 turmas de formandos em engenharia em que fui professor homenageado, por dever de ofício, ousei fazer algumas recomendações (eBookfree: Alocuções Panegíricas aos Formandos em Engenharia do Centro de Tecnologia e Geociências da UFPE, 2015, DOI:10.13140/RG.2.1.4044.2003). Compartilho aqui, em resumo, apenas duas delas: (i) insistir, persistir, perseverar; (ii) é preciso amar o que você faz.

    Alguma mensagem que gostaria de deixar para os leitores desta entrevista?

    Quem genuinamente ama as ciências, admira as realizações da engenharia, nunca terá dúvidas - como eu - que fez a escolha certa e a melhor escolha. A beleza da engenharia é uma recompensa inestimável. A minha mensagem é repetir minha constatação pessoal: vale a pena ser engenheiro!