Criado para mascarar apadrinhamento de pessoal concurso da CMCG apresenta baixos salários para poder manter gordos contracheques dos seus "marajás"

30/10/2018

Na inútil tentativa de mostrar um viés de legalidade que possa vir a mascarar o desequilíbrio irresponsável da folha de pagamentos do Legislativo, que num universo de 391 servidores conta apenas com nove efetivos, a presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, Ivonete Ludgério, divulgou ontem  finalmente o edital do Concurso Público que desde o começo da sua desastrosa gestão anuncia que iria fazer na Casa.

O concurso será feito através de convênio da CMCG com a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e ofertará apenas 37 vagas, representando menos de 10%  do quadro atual da Câmara, vagas estas distribuídas entre cargos de níveis fundamental e médio/técnico.

As inscrições estarão abertas a partir das 10h do dia 29 de outubro até as 23h59 do dia 25 de novembro, através do endereço eletrônico https://cpcon.uepb.edu.br/concursos/CMCampinaGrande/.

O que chama a atenção no edital, além do pequeno número de vagas, é o baixo valor das remunerações, que oscilam entre R$ 954,00 e R$ 1.483,40, ninharia se comparadas com os gordos contracheques dados aos atuais 297 comissionados, em sua maioria parentes e cabos eleitorais da presidente, além de esposas, filhos e parentes de alguns vereadores.

Somente Selda Maria Almeida Pimentel, por exemplo, esposa do ex-presidente Pimentel Filho, embolsa mensalmente sem obrigatoriedade de dar expediente um salário de R$ 6.000,00, equivalente ao que será pago a pelo menos seis dos futuros concursados.

Na folha de comissionados boa parte dos agraciados ganha R$ 4.680,00, como é o caso de  Adeylma de Souza Tavares, Dalvani Camara da Silva, Fabiana Alves da Silva, Maria do Socorro Cavalcante de Medeiros, Ruti Suellen da Silva Almeida de Farias, Thiago Guedes Targino, Verônica Carvalho da Costa e Willys do Nascimento Bruto, dentre outros.

Mas existem variados valores de contracheques, todos acima de R$ 3.000,00. O de Rodolfo Muniz Magalhães de Amorim é de R$ 8.620,00; Vicente Alves Ferreira Júnior ganha R$ 6.180,00; Amanda Lídia Costa Moura leva prá casa R$ 6.050,00;  Virginia Coutinho Ramos dispõe de R$ 5.600,00; Diego Cassimiro Cavalcanti embolsa R$ 5.200,00; Josemar Almeida Cavalcante percebe R$ 5.103,00; Eduardo dos Santos Silva, Jeová Silva e Roberto Oliveira da Silva Júnior estão aquinhoados cada um com contracheques de R$ 5.000,00.

Entre R$ 4.000,00 e R$ 5.000,00 tem outra infinidade de apadrinhados, como são os casos de Gildemar dos Santos Oliveira (R$ 4.837,00) e André Oliveira da Silva (R$ 4.500,00), dentre outros.

OS CARGOS

A distribuição dos cargos do concurso merece uma discussão à parte, parecendo que tudo foi organizado de modo a que não se possa mexer com nenhum comissionado.

Vejamos:

- São criadas cinco (05) vagas de Agente de Apoio Geral Legislativo, cargo inexistente na estrutura atual;

- Quatro (04) vagas para vigia, no nível fundamental;

- Uma (01) vaga para Técnico de Manutenção de Computador ;

- Oito (08) vagas para Agente Legislativo, também inexistente na atual estrutura, sendo seis (06) vagas na ampla concorrência e duas (02) para pessoas com necessidades especiais;

- Cinco (05) vagas para Recepcionista, sendo quatro (04) para ampla concorrência e uma (01) para pessoas com necessidades especiais. Chama a atenção nesse caso específico o exagerado número do item, uma vez que a Câmara dispõe somente de uma entrada e, portanto, de uma única recepção;

- Oito (08) vagas para Técnico Legislativo I, também inexistente no quadro, sendo seis (06) vagas para ampla concorrência e duas (02) para pessoas com necessidades especiais);

- E finalmente seis (06) vagas para Assessor Técnico Legislativo I, também nomenclatura nova no quadro, sendo cinco (05) vagas para ampla concorrência e uma (01) para pessoas com necessidades especiais), no nível médio/técnico.

O resultado preliminar da prova escrita objetiva será divulgado no dia 12 de fevereiro de 2019. Já o resultado final do concurso está previsto para o dia 11 de abril.

Confira, pelo link abaixo, o inchado quadro de comissionados da CMCG, constante no Sagres do Tribunal de Contas do Estado: https://sagres.tce.pb.gov.br/pessoal04.php?ugestora=101050&dt_mes=08&de_mes=Agosto&dt_ano=2018&tipo_cargo=3&cargo=00000119

 

Fonte: Da Redação




Comentários realizados

  • 03/11/2018 às 10:24

    George Tomaz

    Caros amigos, eu sou uma testemunha viva desse descalabro do legislativo mirim campinense. Na minha epoca foi criado um plano de cargos e salarios para beneficiar apenas meia duzia de "gatos pingados" apandrinhados politicos e pessoal do Sintalp (sindicato dos trabalhadores em atividades legislativas) mesmo sendo funcionarios efetivos. Nos da taquigrafia e os redatores de atas entramos com um processo contra a implantação desse famigerado plano que ainda tramita na terceira vara da fazenda publica de Campina Grande. Foi um plano sem discussão em plenario que ninguem tomou conhecimento. Foi para o plenario apenas a capa com a ementa. Um absurdo! Dentre outrascoisas teria também a dizer sobre a atual gestão onde existe na presidencia daquele legistivo um cidadão por nome de Beto que é o poderoso chefão do legislativo campinense que manda e desmanda. Antes todas essas irregularidades eu fico me questionando sobre esse concurso se vai ter a lisura que merece? Sei da importancia da UEPB como uma entidade seria, mais sera que não haverá intervenções ocultas? E muito triste para mim que dediquei 35 anos àquela legislativa, mais quando se aplica um tardio reajueste de 2% aos funcionários efetivos e aposentados vem à tona essa minha indignação. Portanto, são essas coisas que o povo deve saber na que os jornalistas que cobres os trabalhos da casa são amordaçadoss. Portanto falo isso com conhecimento de causa. Meu muito obrigado a você que me acompanhou até aqui.

  • 01/11/2018 às 19:24

    Gutemberg Monteiro

    O pior é que uma das etapas são os "títulos". Dentro dos títulos, experiencia na área conta 150 pontos mais alguns cursos (todos sem ligação direta com os cargos) valem 200 pontos no total. Ora, 20% da prova será em títulos, mas quem tem experiencia de trabalho nos cargos legislativos? obviamente, os comissionados. Além disso, sou concurseiro há anos e NUNCA vi prova de experiencia para um concurso de nível médio que não exige nenhuma especificação. Co m certeza é mais uma manobra política para colocar certas pessoas lá dentro.

  • 01/11/2018 às 10:39

    Gabival

    denuciem ao MP e ao TCE da PB

  • 31/10/2018 às 18:42

    Irineu

    Lamentável... como podemos denunciar isso?

  • 25/10/2018 às 06:12

    joaquim Rodrigues

    cuidado dona Ivonete, o povo acordou; a sra.ainda não viu os exemplos no primeiro turno

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*


Outras Notícias