Paraíba está entre os 22 estados que não vão conseguir colocar metade das crianças em creches

09/09/2019

A primeira infância é fase mais importante para a formação do ser humano. Nesta etapa, através da Educação Infantil, a criança é formalmente apresentada às letras e aos números. É quando ela começa a se preparar para o processo de alfabetização. Mas, apesar da relevância desse momento na vida das crianças, o acesso a educação não assegurado. A Paraíba está entre as 22 unidades da federação que não vão conseguir colocar ao menos metade das crianças de até três anos em creches até 2024.

No Dia Mundial da Alfabetização, comemorado neste domingo (8), o presidente da Comissão de Educação na Câmara Federal, deputado Pedro Cunha Lima (PSDB), defende que o investimento deve ser prioritário na primeira infância e que o acesso a educação é fundamental para corrigir distorções existentes e preparar as crianças para o processo de alfabetização.

Pesquisa do Instituto Ayrton Senna aponta que apenas cinco estados (São Paulo, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Tocantins) vão cumprir metas do PNE (Plano Nacional de Educação), aprovado pelo Congresso Nacional em 2014, de garantir vagas em creche para pelo menos 50% das crianças. O documento estipula objetivos para a educação a serem alcançados pelo país em dez anos.

O Anuário Brasileiro da Educação Básica aponta que apenas 32,3% das crianças de zero a três anos frequentamescolas na Paraíba. Com o aumento da faixa etária (4 a 5anos) esse percentual sobre para 97%. Do total de matrículas (8.745.184) realizadas na Educação Infantil em todo o Brasil, 6.321.951 foram na Rede Privada e apenas 2.423.233 na Pública.

Dados

Na Paraíba, estima-se que aproximadamente 518 mil paraibanos acima dos 15 anos são analfabetos. O número corresponde a 16,5% da população na faixa etária de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada em maio. Ainda segundo o Pnad, o número de analfabetos aumentou em 13 mil em relação à pesquisa feita em 2016, com a porcentagem passando de 16,3% para 16,5%. Desses números, aproximadamente 75% (388 mil analfabetos) são negros. Em todo o Brasil, 11,5 milhões de pessoas são analfabetas, o que corresponde a 7,2% da população.

Fonte: Assessoria




Comentários realizados

  • Essa matéria ainda não tem comentários realizados e você pode ser o primeiro a comentar.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*


Outras Notícias