Desastre administrativo de Ivonete Ludgério vira manchete rotineira na Capital borrando imagem da Casa Félix Araújo

13/03/2018

A imprensa da Capital decidiu nos últimos dias dar destaque às ações da vereadora Ivonete Ludgério, que preside o Legislativo de Campina Grande, e assim a única mulher com assento na Casa Félix Araújo tem virado manchete rotineiramente, mas de modo negativo e nada que signifique discriminação por ser ela do chamado sexo frágil.

Hoje, um dos principais portais políticos de João Pessoa amanheceu estampando novo texto mostrando parte da desastrada rotina da vereadora, que já acumula um inédito e vergonhoso histórico onde pululam denúncias de acúmulo ilegal de cargos públicos, nepotismo e apadrinhamento político para beneficiar o marido deputado estadual, dentre outras vergonhas que borram a imagem da Câmara.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O desastre administrativo de Ivonete Ludgério deve perdurar ainda pelo próximo biênio da legislatura, uma vez que ela conseguiu derrubar o acordo que tornaria o vereador Marinaldo Cardoso o próximo gestor da Casa e com quatro anos de antecedência, em troca de inconfessáveis benesses nada republicanas, se reelegeu num verdadeiro acinte à etica e aos bons costumes.



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Segue o texto de hoje do “Paraiba já”:

Apadrinhamento político: 84% dos servidores

da CMCG foram contratados sem concurso

Depois de ter sido revelado que a parlamentar acumulava a atribuição de vereadora, de presidente da Câmara Municipal de Campina Grande e de servidora da Prefeitura de Campina Grande, embolsando quase R$ 30 mil reais mensais, o conceito da vereadora Ivonete Ludgério entrou em franca derrocada junto a alguns colegas, que recebem apenas R$ 12 mil/mês, que é o salário de vereador na cidade. Além disso, a presidente da Casa está envolta em denúncias de apadrinhamentos políticos, atualmente a Casa de Félix Araújo detém de 84% de seu quadro de servidores de pessoas sem concurso.

A Câmara Municipal de Campina Grande tem em seus quadros 388 servidores, porém, apenas e tão somente 06 (seis), isso mesmo, seis servidores efetivos. Pior, ainda, 294 são servidores contratados por excepcional interesse público. Isso corresponde a 84% dos servidores da CMCG, como comissionados e contratados, ambos os casos, sem concurso público. O custo destes servidores sem concurso no mês de janeiro de 2018 ficou em R$ 937.118,87.

FAMÍLIA LUDGÉRIO


Um sobrinho do deputado Estadual, Manoel Ludgério (PSD), ex-chefe de gabinete da Prefeitura de Campina Grande (PMCG), recebe um super salário como assessor da Câmara Municipal de Vereadores de Campina (CMCG), presidida justamente pela esposa do parlamentar, Ivonete Ludgério (PSD).

Segundo consulta no Sagres do Tribunal de Contas do Estado, (TCE), Edmundo Amorim Borba Filho recebe um super salário de R$ 11.200 no legislativo campinense. Além disso, a presidente mantém irmão e cunhada na estrutura da Câmara Municipal.

Além disso, recente levantamento no Sagres do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) revelou que a irmã de Manoel, a senhora Maria Elizabeth Alves Ludgério ganha do Fundo Municipal de Saúde (FMS), cargo sem concurso indicado na gestão do prefeito Romero Rodrigues (PSDB) a quantia de R$ 7.948,00.

Fonte: Da Redação




Comentários realizados

  • Essa matéria ainda não tem comentários realizados e você pode ser o primeiro a comentar.

Outras Notícias