Pedro defende "PEC dos Penduricalhos" para acabar "auxílios" às autoridades

15/05/2019

O deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) defendeu a criação de uma ‘PEC dos Penduricalhos’, em discurso na tribuna da Câmara Federal, nesta terça-feira (14), como uma das medidas de um pacote destinado a reduzir o custo da máquina pública e diminuir benefícios às autoridades. “Apresento um pacote, a ‘reforma dos privilégios’. Eu já peço a assinatura dos colegas para uma das propostas que é a ‘PEC dos Penduricalhos’. Quem recebe acima de 10 salários mínimos representa 2% da população. Não pode mais ter esse tipo de auxílio-livro, creche, saúde, alimentação. Auxílio-alimentação tem que ter para quem não tem o que comer. Tem gente que passa fome no nosso País e não recebe auxílio-alimentação”, criticou.
 
Para ele, não é possível avançar na redução das desigualdades sociais, eliminando a pobreza do Brasil, sem que haja uma profunda mudança na estrutura do sistema público. “É muito desigual você ver um País que quebra e que faz com que a corda sempre rompa do lado do mais fraco”, lamentou, dizendo que já existem algumas iniciativas em curso para a correção dessas distorções, mas que precisam, segundo ele, serem defendidas e apresentadas como uma política de governo, como um “pacote” de medidas para que tenham êxito.
 
“Existe a proposta que limita o orçamento desta Casa, das Assembleias Legislativas, dos Tribunais de Contas, que precisam entrar na conversa; existe a proposta que acaba com carro oficial de senador, deputado e que já foi aprovada nesta Casa, está agora faltando apenas ser apreciada pelo Plenário do Senado. Existe a proposta para limitar o vencimento mensal: muitas autoridades recebem ainda hoje R$ 200 mil por mês. Então, vamos falar de coisas práticas, e vamos seguir um sentimento de País”, defendeu.

Resultado de imagem para Pedro defende ‘PEC dos Penduricalhos’ para acabar ‘auxílios’ às autoridades
 
Pedro relatou que metade da população brasileira não possui saneamento básico e que a maior parte das crianças de 0 a 5 anos estão fora da creche, enquanto isso, há o benefício de auxílio-creche para procurador, o auxílio- mudança para deputado e auxílio-livro para o juiz. “A gente possui, por parte do Governo, um direcionamento de uma reforma da Previdência, a gente vê o Governo encaminhar um pacote anticrime, mas a gente não vê o Governo se empenhar na chamada reforma dos privilégios. Esse sentimento continua vivo no nosso País. Parte desse sentimento foi o que elegeu o presidente Bolsonaro e esse sentimento é maior do que o próprio presidente. A Presidência não está atentando para isso e não está representando essa necessidade de fazer ajuste”, opinou.
 
Fonte: Assessoria de Imprensa




Comentários realizados

  • Essa matéria ainda não tem comentários realizados e você pode ser o primeiro a comentar.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*


Outras Notícias