Vereador "quase padre" passa perna em São João, aprova projeto cassando feriado e abacaxi está nas mãos do prefeito

28/11/2018

Ardoroso coroinha da Igreja Católica e considerado há anos como o mais ‘santo’ dos edis com assento na Casa Félix Araújo, o vereador Antonio Pimentel Filho literalmente passou a perna num dos mais adorados santos do catolicismo nordestino - São João - e conseguiu aprovar um  projeto que cassa o louvor ao patrono da maior festa junina do mundo.

O projeto de Pimentel Filho extingue os feriados de Carnaval e São João em Campina Grande, deixando-os apenas como ponto facultativo. Votado e aprovado na Câmara Municipal de Campina Grande, para se tornar lei ainda necessita da sanção do prefeito Romero Rodrigues, para quem o “abacaxi” será enviado.

Os vereadores Galego do Leite e Alexandre do Sindicato votaram contra a proposta e disseram não concordar com a extinção dos feriados, pois, transformando-os em ponto facultativo iria privilegiar apenas o funcionalismo público, enquanto o trabalhador do comércio ficaria prejudicado.

Segundo Galego, o feriado de São João é uma tradição para o Nordeste, em especial para Campina Grande, devido à realização do Maior São João do Mundo.

“Votamos contra porque o feriado do São João na nossa região é tradicional. Recebemos com estranheza o projeto do vereador Pimentel porque apenas o funcionalismo público é que vai se beneficiar. O trabalhador do comércio não terá direito a folga, nem o pagamento pelo feriado”, disse.

Já o vereador Alexandre do Sindicato, que integra a mesma bancada governista de Pimentel,  entende que é necessário que o projeto não seja sancionado pelo Poder Executivo, devido à tradicionalidade que os festejos juninos e de Carnaval têm para a cidade, tendo em vista que nas duas datas há grande número de turistas visitando Campina Grande.

“Este é um projeto nocivo aos trabalhadores e também à sociedade como um todo. Não houve nenhum questionamento jurídico ou apelo da população para ter se levantado esse projeto, que vai garantir apenas privilégio para o funcionalismo público, já que será ponto facultativo. Faço um apelo ao prefeito Romero Rodrigues para que essa lei seja vetada”, pediu.

A sessão de hoje foi de bate-boca na Câmara campinense, com os ânimos exaltados entre o autor da propositura e os dois edis que se rebelaram.



Fonte: Da Redação




Comentários realizados

  • Essa matéria ainda não tem comentários realizados e você pode ser o primeiro a comentar.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de e-mail é de preenchimento obrigatório, mas não se preocupe que não publicaremos. Seu comentário será moderado pelo administrador do site e só será divulgado após isso.*


Outras Notícias